terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Visite o perfil de Léa no Pinterest.

domingo, 20 de dezembro de 2015

https://www.youtube.com/watch?v=jasWokIlHLc
https://youtu.be/jasWokIlHLc


Feita a partir de um pentágono, esta estrela é ideal para decorações de Natal!
No vídeo ensino transformar um quadrado em pentágono, e a partir dele faremos a estrela original e variações. 
Boas dobras!

Anjo - Angel

sábado, 19 de dezembro de 2015













Lindo e delicado!

http://2.bp.blogspot.com/--G89RmKyDnk/UFhwd8DbGzI/AAAAAAAABqI/g1puTmKAmkU/s1600/pulseira+de+crochet+2.JPG

terça-feira, 24 de novembro de 2015

domingo, 23 de junho de 2013

Querem colocar um cadáver no colo da Presidente Ontem, 22 de junho de 2013, minha mulher e eu fomos à manifestação ocorrida em Belo Horizonte na qualidade de médicos. Somos professores e vários de nossos alunos estavam presentes. Como já havíamos testemunhado a violência no ato da segunda-feira anterior, fomos preparados para atender possíveis vítimas, levando na mochila alguns elementos muito básicos para pequenos ferimentos e limpeza dos olhos irritados por gás. A manifestação foi tranquila durante todo o trajeto. Até mesmo a intolerância com militantes de partidos de esquerda foi pouco vista. Uma grande bandeira vermelha era orgulhosamente carregada e, salvo um ou outro, respeitada. Contudo, o clima começou a piorar quando a manifestação encontrou o cordão policial. Como tem ocorrido, a maioria aceitou o limite imposto, mas os provocadores instavam os moderados a enfrentarem a polícia. Parecem colocados estrategicamente entre o povo, porque se repartem em certo padrão e gritam as mesmas frases. Como é sabido, eventualmente o conflito aconteceu. Retiramo-nos para a pequenina área verde que sobra naquele encontro as avenidas Abraão Caran e Antônio Carlos. E ali ficamos tratando sobretudo intoxicações leves e ferimentos superficiais causados por estilhaços e balas de borracha. Em um momento, fui chamado para atender um senhor ferido na cabeça. Fui correndo, mas ele já passara o cordão de isolamento da polícia. Identifiquei-me como médico aos policiais do Governo de Minas Gerais e disse que poderia atender o senhor ferido. A resposta foi uma arma apontada contra meu peito. Pedi para falar com algum oficial, mas a PM recomeçou a atirar. Voltei para nosso pronto-socorro improvisado. De dentro do campus da UFMG começaram a atirar bombas de gás sobre nós que atendíamos os feridos e recuamos ainda mais, para o meio da Antônio Carlos. Minutos depois, chamaram-nos com urgência informando que alguém caíra do viaduto José de Alencar. Quando chegamos, um jovem com o rosto sangrando estava sofrendo uma pequena convulsão. Fizemos a avaliação primária e, na medida em que surgiam problemas, tratávamos da melhor forma possível. Aquele paciente precisava de atendimento avançado urgentemente, em um centro de trauma, mas a polícia não arrefecia. Aproximou-se de mim um sujeito com o rosto tampado por uma camiseta. Ele descobriu parcialmente a face e me disse no ouvido que era policial e que pediria que não atirassem para que pudéssemos evacuar a vítima (penso ter visto esse autodeclarado policial perto de mim, quando eu tentava falar com um oficial, e depois correndo ao meu lado. Se for a mesma pessoa, ele era um dos exaltados que instavam à violência). Chegaram algumas pessoas com camiseta vermelha, na qual se lia “bombeiro civil”. Eles nos ajudaram a improvisar uma maca com um cavalete da empresa de transportes e faixas de manifestantes. Algum tempo depois, por coincidência ou não, os tiros pararam e fomos, com dificuldade, levando a vítima em direção do cordão policial. Minha mulher ficou na barreira. Quando passamos a barreira, vi uma ambulância parada a uns 20 metros. Gritei para os que ajudavam para que fôssemos para ela. Todavia, para meu horror, a polícia não permitiu. Disse que aquela viatura era somente para policiais feridos. Tentei discutir, mas vi que seria improdutivo. Disse a um oficial, então, que conseguisse outra. Não tínhamos muito tempo. Colocamos a vítima no chão, imobilizando sua coluna cervical e iniciei a avaliação secundária. Na medida do possível, limpamos o rosto ensanguentado do jovem e realinhamos os membros fraturados. Pedi aos policiais que, pelo menos, trouxessem equipamentos da ambulância “deles” para imobilização e infusão. Recusaram-se. Esperamos um bom tempo até que uma ambulância do resgate do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais chegasse. O veículo praticamente não tinha nenhum equipamento. Somente a prancha, talas, colar cervical e oxigênio para ser usado com máscara. “Soro” não havia. Transferimos e imobilizamos o paciente. Nesse tempo, tentávamos descobrir para onde levar a vítima. Respostas demoravam a chegar. Pensamos no Mineirão, bem próximo de nós, mas primeiro disseram que era para torcedores e depois que não dispunha de centro de trauma. Fomos para o Pronto Socorro de Venda Nova, Risoleta Neves. Lá uma colega assumiu o tratamento do ferido. Entrei em contato com minha mulher e ela me disse havia se juntado a meu irmão, que dois outros haviam caído do viaduto e que havia vários feridos, mas que eles não estavam conseguindo mais atender. Mais tarde, quando os reencontrei no metrô de Santa Efigênia eles me contaram uma história de terror. Depois de me deixar com a primeira vítima, minha mulher se identificou aos policiais e disse que queria passar também para me ajudar. A polícia não deixou e ameaçou atirar nela. Como as agressões reiniciaram logo depois, ela ficou presa entre bombas e pedras, até que conseguiu fugir e retomar a antiga posição para socorro, no meio da Antônio Carlos. Foi quando encontrou meu irmão. Logo depois, receberam um chamado, avisando que outro rapaz havia caído. A situação clínica desse paciente era muito pior do que a do anterior. Não interessa escandalizar ou ofender com detalhes médico-cirúrgicos. Relato somente que o quadro que os dois descrevem é gravíssimo. A vítima não reagia, estava em coma, mas respirava e o coração batia. Meu irmão, sabendo da primeira experiência, correu para os policiais, desta vez um outro cordão formado na Antônio Carlos, levantando as mãos, agitando uma camisa branca e gritando que havia um ferido morrendo. Os policiais, vários, apontaram-lhe armas e gritaram para que ele fosse embora. Quando ele tentou avançar um pouco mais, os tiros começaram e ele correu em direção de minha mulher para ajudá-la. Ali, ao lado da vítima, perceberam que a polícia atirava neles. Relatam que já não havia ninguém próximo. Somente a vítima, ele e minha mulher de jaleco branco. Os tiros e as bombas de efeito moral e de gás vinham com um único endereço. O deles. Ficaram o quanto aguentaram; mais não puderam fazer. Desesperados, tiveram que abandonar o rapaz que morria e buscar refúgio. Depois, tiveram a notícia de que um terceiro homem caíra do mesmo viaduto. A cavalaria já estava em ação e não havia como atravessar a avenida para socorrer essa terceira vítima. Quando cheguei em casa, alguns alunos relataram que socorreram um homem que caíra do viaduto (perece que foram quatro, no total). Quando a polícia passou, eles conseguiram chegar à vítima e ficar com ela até que o SAMU chegasse. Algumas ideias ficam em minha cabeça. Quem já conviveu com militares sabe na maioria das vezes reconhecer um por sua forma de agir, andar, cortar o cabelo e de falar. Sem leviandade, acredito que vários dos provocadores eram militares infiltrados. Vi o homem de rosto coberto dizer ser policial e que pediria para que os policiais alinhados dessem uma trégua e nos deixassem passar. Isso aconteceu. Outra imagem simbólica foi ver a tropa de choque da Polícia Militar de Minas Gerais dentro de uma universidade federal (deveria ser um território livre e sagrado da paz, da inteligência e da cultura) fechada para os estudantes. Da universidade vinham bombas que machucavam a juventude. Já ampliando o horizonte, o Itamaraty em chamas, a bandeira de São Paulo queimando, o Congresso quebrado, um governador sitiado em sua casa. Há que se ler nos símbolos e nos fatos. Amplie-se mais esse horizonte. Não se vê que os métodos são os mesmos usados nas “primaveras” árabes, em Honduras, no Paraguai, no Equador, na Venezuela e que começa também a ser usado na Argentina? Nada há de espontâneo no que está ocorrendo e não é à toa que os meios de comunicação têm promovido e estimulado a agressividade e a multiplicidade de slogans e bandeiras. Não é verdade que não haja líderes nessas manifestações. Os líderes estão nas sombras, colhendo os frutos das últimas tecnologias. São discretos. Quem sabe o que são o Instituto Millenium, o instituto Fernando Henrique Cardos, o Council on Foreign Relations, a Trilateral Commission, o Carnegie Council? Preparam o Brasil para a guerra global idealizada pelos think tanks? É essa a forma de chegar aos recursos naturais do imenso território brasileiro sem a mínima resistência de governos mais progressistas? Incomoda o acordo com a Rússia para a compra e desenvolvimento de armas? Uma certeza: querem atacar a democracia. Em vez de atacar partido, tome partido. Você está sendo manipulado. Pelo que vi e vivi é certo que querem jogar um cadáver no colo da Presidente Dilma. Giovano Iannotti Professor de Medicina

sexta-feira, 23 de março de 2012

MENSAGEM - Via Caio Procópio de Alvarenga

Estabilidade, segurança, alegria interior são artigos que não se compram, se conquistam. Ninguém irá encontrá-los no mundo exterior, onde a mente é obrigada a seguir a ordem estabelecida do pensar trivial e negar as coisas realmente importantes. Quem vive à mercê do mundo exterior funciona deste jeito. Mas há momentos em que o coração aperta, uma sensação de opressão que dói o peito. Já pensam logo, é o coração, vou procurar um cardiologista! Que seja bom buscar ajuda, mas não se entende mais a linguagem das sensações; é a vida que está reclamando desse modo de vida... Em muitos casos não passa de ansiedade, do stress e dos miasmas criados pelos próprios pensamentos negativos repetitivos. Assim, muitas vezes se fica até mesmo muito confortado pois não foi ainda nada sério com o coração... Se continua a deixar o assunto engavetado, afinal é o stress e a vida difícil que se leva hoje... Os hospitais poderiam estar menos cheios se as pessoas aprendessem a se conhecer e olhar, se não estivessem tão inseguras de si mesmas. Querem aprender a linguagem das sensações, das emoções e dos sentimentos? Comece agora a olhar para si mesmo como alguém real, amável, merecedor; preste a atenção na sua energia, localize-a no seu corpo, perceba a sua respiração e ao mesmo tempo observe a sua energia, vai descobrir muitas coisas sobre como você é e funciona. Vai perceber que existe um Eu mais profundo do que o pensamento barulhento. Esta parte de si é calma, lhe manda sugestões de harmonia, reconhece o seu poder de criar e de sintonia. Garanto que você vai querer ficar mais tempo nesta companhia...

O MOMENTO DA CRIAÇÃO DOS NÚMEROS

Deus, em Sua infinita sabedoria e bondade, criou o universo. Nele, colocou as suas criaturas: os seres vivos. A cada ser vivo corresponderia um planeta, para iluminá-lo no momento de seu nascimento e acompanhá-lo energeticamente por toda a vida. No entanto, Deus achou que só a energia do planeta não bastaria, e decidiu dar a cada ser vivo um número no momento de seu nascimento, já que Seus filhos, habitando este planeta, teriam maior facilidade para entender os números, do que os astros.

Chamou o primeiro filho, e disse-lhe:
“Querido filho, a ti darei o NÚMERO 1. Será sempre bata¬lhador. Lutarás muito, e todas as portas se abrirão para ti. Terás sucesso no que quiseres fazer, pois em ti está a semente do começar. Serás famoso e terás muitas conquistas. Brilharás tanto, que poderás ter de lutar contra a inveja e o despeito de outros filhos. Teu brilho será tão intenso, que a ti mesmo parecerá grandioso. No entanto, te darei tanto brilho, para que com ele possas iluminar a vida de meus outros filhos. Será essa a tua missão: clarear os caminhos de teus irmãos, com o teu próprio brilho. Se aqui voltares, tendo acumulado o brilho apenas para ti, te direi então que perdeste tempo. Tirarei teu brilho, para que possas entender a escuridão”.

Em seguida, o Pai bondoso chamou Seu segundo filho:
“Querido filho, a ti destinei o NÚMERO 2. Com ele conseguirás amar e juntar-te ao próximo. Sempre, em todos os momentos, necessitarás estar acompanhado. A solidão não te será frutífera. Luta sempre para estares com alguém. Carregará em ti a semente da união. Serás o responsável pela união de todos os teus irmãos. Sem ti, eles estarão soltos e dispersos pelo universo. Por isso, rogo-te, busca sempre o próximo, estando sempre ao lado dele. Somente conseguirás ter sucesso e ser feliz, se dividires tua vida com alguém. A ti caberá unir. Porque se meus filhos aqui retornarem, dispersos e desunidos, de ti cobrarei. A ti pedirei respostas, pois será por teus atos, tua mente e teu coração que teus irmãos permanecerão unidos”.
Prosseguindo, DEUS chamou o terceiro filho:

“A ti, querido filho, reservei a semente da multiplicação: te destinei o NÚMERO 3. Por teu ventre passará a vida. Em ti, teus irmãos encontrarão como se multiplicar. Estarás sempre destinado a servir, para que o mundo possa crescer. Nunca negues a ninguém, seja quem for, o direito da proliferação. Terás fala ampla e irrestrita, falarás todas as línguas e descobrirás todos os pensamentos. Captarás no ar aquilo que não puderes ver.
“Conquistarás a todos através da conversa, para que isso facilite a tua aproximação com a recriação. Terás talento de sobra para desenvolver a imaginação e a criatividade, para com isso procriares-te. Está em tuas mãos a manutenção da vida e das idéias, por ti passarão todas as esperanças e os sonhos, para que lhes dê a injeção da multiplicação.
“No entanto, rogo-te que multipliques sem te excederes. Não gastes tua energia em vão, descobre como usá-la sabiamente, mas nunca negues a possibilidade de desenvolvimento e crescimento. Quando aqui retornares, pedir-te-ei que, junto a mim, olhes rumo ao infinito para podermos avaliar a tua obra; se no universo houver vida abundante, terás sido um vitorioso”.

Chamando imediatamente o próximo filho, DEUS disse:
“A ti, querido filho, reservei o NÚMERO 4. Serás, entre todos os meus filhos, o único responsável pela solidez da vida e dos fatos desta. Aprenderás a criar raízes. Aprenderás a estruturar; em ti está o poder de perpetuar a vida. Com tua energia, conseguirás fazer com que as sementes plantadas por teus irmãos possam se perpetuar. A ti cabe a responsabilidade de manter as obras de teus irmãos para sempre. Se houver frutos dessas obras, tu forneceste o alicerce e a estrutura para a sua frutificação. Vê, teu trabalho não será fácil. Exigirá dedicação e, por vezes, muito trabalho e esforço; trabalharás arduamente e não virá a ti o retorno de tua obra. Pois a ti bastará apenas garantir a segurança, a estrutura e a solidez dos caminhos de teus irmãos.
“Como disse, a ti não virão os frutos, nem serás tu a colhê-los. No entanto, querido filho, posso te garantir que é para ti que reservo os maiores méritos. Pois quem trabalhar arduamente em meu nome, sem esperar reconhecimento, merecerá um lugar de destaque em meu reino”.

Chamando em seguida Seu próximo filho, disse:
“Querido filho, para ti reservei o poder da mudança. De posse do NÚMERO 5, serás o responsável pelas transformações na vida de teus irmãos. Carregarás contigo a facilidade de quebrar estruturas e derrubar barreiras; tudo o que tocares mudará e se transformará. Por isso, peço-te que, de tempos em tempos, visites teus irmãos um a um e, individualmente, observes suas vidas. Verifica o que não está de acordo, e procede à mudança, conservando aquilo que precisa e deve ser mantido. Como teus irmãos estarão espalhados pelo universo, terás a facilidade e a vontade de te locomoveres por longas distâncias, ou melhor, necessitarás disso. Serás então um pássaro errante sem moradia e sem ninho. Pois somente assim conseguirás avaliar o que deve ser mudado, e o que deve ser mantido”.

Em seguida, repleto de carinho, nosso Pai convocou Seu próximo filho:
“Para ti, querido pupilo, darei o NÚMERO 6. Com ele, poderás formar família, conseguirás conservar e manter a estrutura sentimental de teus irmãos. Serás aquele que carrega o amor em si. Cada vez que passares próximo a teus irmãos, uma nuvem singela envolverá cada um deles, para que sintam o quanto é importante amar.
“Vê que a ti não peço grande sacrifício. Pois, se observares o amor que tenho por ti, poderás então transmiti-lo a todos os que tocares, para que possas assim inspirar o amor na sua mais bela forma de expressão. No entanto, advirto-te de que essa paz e tranquilidade poderá te causar danos; nunca te acomodes. Nunca fiques sentado esperando a vida passar. És tu quem deverás estar sempre atento às necessidades afetivas de teus irmãos. Dar-te-ei mais: um lar, com o aconchego de teus entes queridos, para que possas assim, dentro de tua própria casa, exercitar o mandamento de teu destino”.

Prosseguindo, chamou o próximo filho e, com muita seriedade, disse-lhe:
“A ti, querido filho, reservei o NÚMERO 7. Quase sempre em tua vida serás mal entendido. Muitos não saberão como lidar contigo. É que te destinei para ser meu canal de comunicação com os demais filhos meus. Para isso, terás a facilidade de entrar em contato com o mundo não racional. Por ti, ¬ passará sempre um cordão de ligação comigo. Por ti, falarei a meus outros filhos. Tua missão não será fácil, pois, no mundo em que irás viver, poderás sucumbir às tentações de outras ligações que não comigo. Por isso, da vida terás que conhecer de tudo. Conhecer apenas não bastará, terás de entender profundamente a vida e as pessoas. Para isso, serás quieto, calmo e pensador. Peço-te que, sempre que não conseguires mais continuar nessa tua estrada, liga-te fortemente a mim e te mostrarei o caminho. Fica em paz, porque sempre estarei falando contigo. E usarei de ti para falar com todos os meus filhos”.

Assim que terminou, nosso Pai convocou o próximo filho:
“A ti, querido filho, darei o NÚMERO 8, e com ele todas as facilidades das moedas. Com ele, conseguirás acumular muita riqueza material, própria e específica do mundo físico. Com a vibração deste número, serás poderoso, influente e prestigiado por muitos, pois teus cofres estarão sempre cheios. E, para que lides com a moeda com a desenvoltura que ela solicita, te darei um poder visionário e, como te disse, não precisarás correr atrás das moedas, pois elas te encontrarão. No entanto, reflete muito sobre a posse das moedas. Se te dou tanta facilidade para adquiri-las, é porque deposito em ti a esperança de que faças justiça. Se utilizares do poder das moedas para financiar apenas teus projetos, ou para, pura e simplesmente, encher teus cofres, quando aqui retornares, cobrarei de ti por teus irmãos.
“Pois, no mundo físico, aquele que estiver sem as moedas, ou com poucas delas, sofrerá muito. Por isso é que te dou tanta facilidade para adquiri-las, na esperança de que irás reparti-las. Pois, em relação aos outros teus irmãos, quando necessitares da ajuda deles, eles te fornecerão seus dons, e não será justo que reserves somente para ti a facilidade que as moedas produzem no meio físico”.

Assim sendo e, ao terminar a reunião, DEUS chamou Seu último filho:
“Com você, amado filho, ainda terei de conversar muito. No momento, apenas te dou o NÚMERO 9. E, com a energia deste, sentirás uma necessidade incontrolável de amparar a todos indistintamente; serás o único filho que se preocupará com todos os outros indistintamente.
“Não conseguirás ser feliz, se a teu redor existir alguém infeliz. A tua felicidade dependerá do bem-estar de todos os teus irmãos. Amarás o universo das criaturas, e não uma a uma. Sentir-te-ás responsável por todas elas. E és realmente responsável por elas. Nunca exigirei de ti mais do que podes agüentar. Como tens de velar por todos os teus irmãos, te darei o poder da imortalidade. Pois nunca poderás morrer; estarás sempre vivo, e sempre cuidando deles. Tua vida é a vida de todos os demais. Assim serás feliz. Assim conseguirás imortalizar-te. Sei, amado filho, que tua tarefa não é cômoda. Por isso, providencio, agora, o nascimento em ti de dois auxiliares: de um lado, carregarás a intuição que te ajudará no entendimento do mundo e intensificará nossa ligação; poderás chamá-la de 11. De outro, carregarás a semente da sabedoria universal: com ela adquirirás a facilidade para entender as razões pelas quais teus irmãos cometem faltas e deslizes. E, com esse entendimento, poderás orientá-los adequadamente. Poderás chamá-lo de 22.
“Como vês, serás o único filho com dois auxiliares. Pois sei da labuta que terás de enfrentar. Rogo-te, nunca os abandones. Não te esqueças, amado filho, tu somente serás feliz se teu próximo também estiver feliz. Por isso, derrama felicidade por onde passares, para que teu próximo possa absorvê-la, e assim tornar-se feliz. Estando ele feliz, tu também serás feliz”.

Terminada a reunião, nosso amado Pai disse a todos os seus filhos:
“Queridos e amados filhos, chegou o momento da partida. Ide em direção ao infinito. Lá encontrareis a terra árida para trabalhardes. Depositei em vós tudo o que até agora pude desenvolver. Sois a minha esperança do futuro. Olharei por todos. Estarei sempre presente ao vosso lado. Nunca vos abandonarei. A cada um dei um talento desenvolvido; mas quero ainda dizer-vos que, apesar desse talento desenvolvido, em cada um de vós plantei também todas as outras sementes. Se, num determinado momento de vossas jornadas cósmicas, precisardes de outro talento que não seja esse que desenvolvi em vós, basta me pedirdes, que farei com que a semente solicitada germine dentro de vós. Assim vos criei, pois vos criei à minha semelhança. Razão pela qual sois iguais a mim”.


www.abran.com.br

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Shiatsu Emocional


Shiatsu – Artigo introdutório do naturopata espanhol JOSEP MASDEU BRUFAL (Espanha)

Segue artigo INÉDITO introdutório sobre Shiatsu, com boas relações entre Shiatsu e emoções, escrito por Josep M. Brufal* e traduzido porArnaldo V. Carvalho**. Publicado em português em primeira mão aqui no nosso Blog, sob autorização expressa do autor.
shiatsu é uma massagem originária do Japão, que consiste em pressionar com os dedos as zonas de sensibilidade vital do corpo humano. Proporciona níveis extraordinários de equilíbrio e bem-estar. Não utiliza outras ferramentas que não os próprios dedos, que proporcionam calor às zonas sensoriais e favorecem a circulação sanguínea, obtendo estados de relaxamento e bem-estar impecáveis.
filosofia oriental determina que o homem deve compenetrar-se cmo a natureza, já que nela encontrará o segredo do relaxamento, da serenidade e do equilíbrio pessoal.
A pessoa que exerce a pressão com seus dedos transmite a energia e vibrações positivas de seu corpo, por isso através de da pressão se consegue que quem a receba se sinta amado, reconfortado e respeitado, entre outras sensações.
Se utiliza o dedo polegar pressionando com a base e no sentido descendente; os dedos indicador, médio e anular são utilizados em zonas como o rosto e o abdomem. A palma da mão é utilizada para a área dos olhos, abdomem e tratamentos de vibrações.
SHIATSU E AS EMOÇÕES
O Shiatsu pode ser uma ferrtamenta válida para tratar as emoções. Ao longo do dia experimentamos uma grande quantidade delas. Quando somos incapazes de controlar uma emoção, geramos um desequilíbrio em sua zona de influência, que pode provocar tensão muscular ou bloqueio no movimento de nossos órgãos internos.
Segundo a teoria do Shiatsu, cada emoção está relacionada com um órgão e uma parte do corpo concreta:
TRISTEZA está relacionada com o pulmão e pode provocar desequilíbrios na zona do diafragma ou na cintura escapular.
ALEGRIA está relacionada con o coração e pode desequilibrar mente.
A CÓLERA se relaciona com o fígado e nas mulheres pode provocar problemas com a menstruação.
A OBSESSÃO se relaciona com o baço e pode provocar cansaço mental.
O MEDO se reflete nos rins e pode ocasionar problemas na zona lombar ou nos joelhos.
A INDECISÃO esta relacionada com a vesícula biliar e pode provocar problemas cervicais ou nas laterais do corpo.
O SHIATSU incrementa nossa energia vital, nos aporta calma e claridade na mente, o que nos permite enfrentar os desafios e as dificuldades provocadas pelas emoções de forma centrada; nos faz estar mais despertos e enfrentar melhor as mudanças produzidas pelos estados emocionais.
SHIATSU E STRESS
Durante séculos o stress tem servido para responder a situações de perigo. Atualmente, o stress causa tensão e substâncias que se tornam nocivas para nosso organismo, e provocam:
  • Aumento da pressão sanguínea.
  • Aumento do colesterol.
  • Envelhecimento precoce das células.
  • Ansiedade.
  • Depressão.
Beneficios do SHIATSU ante o stress:
  • Equilibra a atividade do sistema nervoso promovendo o relaxamento.
  • Reduz a tensão muscular.
  • Estabiliza as desordens provocadas pela ansiedade.
  • Ajuda a regular os trastornos do sono.
  • Reduz a tensão arterial.
SHIATSU E GRAVIDEZ
Este tratamento oriental ajuda a previnir molestias como dores nas costas e circulatórios, assim como outras molestias que se produzen durante a gravidez como vômitos, inchaço nos jelhos e tornozelos, varizes, bloqueios…
Durante este periodo as sessões serão mais curtas que uma sessão habitual. É muito interessante conectar  com o ciclo de respiração da mãe. As pressões serão mais suaves e menos profundas.
Devemos nos dar conta de que estamos tratando a 2 pessoas simultaneamente e é importante trabalhar para potenciar a energia do feto, e isto se consegue mediante a estimulação de determinados pontos que tem correspondência com os rins, já que este órgão se encarrega de nutrir e aportar essência a feto.
Com o SHIATSU tambén se puede realizar um tratamiento pós-parto para reequilibrar o corpo da mãe e para flexibilizar e ajustar o quadril.
* JOSEP MASDEU BRUFAL é Naturopata. Seu texto original encontra-se em: http://naturopatia.biomanantial.com/shiatsu-masaje-tradicional-japones-2/
** O tradutor Arnaldo V. Carvalho é naturopata e professor de Shiatsu.

Sobre Shiatsu


Neste fim de semana na busca de um alívio dos sintomas, acabei optando pelo Shiatsu que por definição diz:

Consiste no uso dos dedos e palma da mão parágrafo para fazer pressão ns pontos chamados meridianos ao longo do corpo com a finalidade de corrigir os desequilíbrios. É uma massagem indicada para prevenção e tratamento de vários sintomas, tais como: dores na coluna vertebral e articulações, insônia, cólicas, stress, ansiedade, dores de cabeça, sinusite, TPM, depressão, melhora a circulação sanguínea, equilibra o sistema nervoso, entre outros.


Se alguém quiser saber um pouco mais da técnica tem nestes links abaixo:
http://saudeharmonia.vilabol.uol.com.br/SHIATSU.HTM
http://bemtratar.com/artigos/shiatsu-o-poder-toque-humano
http://curapelanatureza.blogspot.com/2008/12/benefcios-do-shiatsu.html

Basicamente pela fm, todos os meus meridianos "entupiram" e precisavam urgentemente serem desbloqueados... mas uma coisa me chamou muita a atenção - ao ser pressionado o meridiano do rim, quase pulei da maca, na verdade todos os pontos doeram pacas mas neste parecia que a terapeuta tinha enfiado a unha... mas não, era  somente o dedo...

Pra vocês verem o tamanho da encrenca rs... mas ao ser pressionado... cerca de 5 minutos depois precisei voar ao sanitário, porque minha retenção hídrica tinha sido desbloqueada! Que maravilha! Eu sempre incho na TPM a ponto de doer os peitos e desde ontem, a cada líquido que entra tem saído muito, de modo que os peitos voltaram a normalidade...

E claro que os demais pontos pressionados (ao todo 12) ajudaram a domar a pessoa que vos falam na sua TPM feroz... parecia que engoli um frasco inteiro de maracujina...

Contei aqui um dos benefícios mas pela entrevista feita antes da sessão ao contar todos seus problemas físicos e de saúde a terapeuta direciona as pressões nos meridianos correlacionados e assim vai desbloqueando - o meridiano do rim é bem óbvio de saber o que acontece - mas por exemplo o do fígado, onde se concentra a cólera (ui!) ajuda a aliviar ataques coléricos de TPM, o que explica eu parecer que engoli um frasco de maracujinia inteiro... e desde ontem estou assim...

Então, já percebi que pra TPM é muito útil e em mim deu um efeito fantástico... ao longo dessa minha jornada pra entender e tratar da melhor forma possível a fm, acabei lendo um pouco de cada técnica holística/oriental... embasamento eu tinha mas sabem aquilo de "ver pra crer"?

Nestes tipos de tratamento - a grande maioria vai ter uma explicação de que determinada doença é causada por determinado sentimento, ou seja - somatização...

Por aqui entendemos muito pouco disso e o que aceitamos como somático é uma gastrite e olhe lá... mas ao pesquisar, podemos encontrar uns sem-números de sentimentos que provocam desequilíbrios como a TPM... e até alguns dos sintomas da fm... como o enrijecimento e dor nas juntas... eu por exemplo, tinha uma dor #%¨&@# no tornozelo que não passou nem com a lemeterapia, nem com o rolfing... já com o Shiatsu aliviou consideravelmente...

E os ombros que sempre carregam bigornas estão mais leves também...
Tanto que ontem na minha terapeuta holística que trabalha com cognitivo comportamental aliado a florais e agora Reiki... ela percebeu a diferença, meu desequilibrio energético diminuiu, pois da primeira vez que aplicou o reiki, minha região do trapézio latejava tanto que parecia um terremoto de 9.0 na escala Richter (coisa da miofascial dorsal...) ao aplicar de novo, já notou que a área estava bem mais tranquila, menos latejante... diria que tem um tremor de 6.0... pra mim já é uma vitória!

... enfim, acho que o Shiatsu pode ser muito útil nesse caso da fm pra tratar uma série de sintomas como:

- ansiedade e insônia
- fadiga
- eliminar as toxinas dos remédios que ingerimos
- ajuda a resolver problemas emocionais (medo, fobia, raiva, depressão, preocupação excessiva, estresse, TPM)
- aliviar a dores causadas por contratura e má postura (dores nas costas, tendinite, dor nos braços, nas mãos, nas pernas e pés).

informações deste link:
http://curapelanatureza.blogspot.com/2008/12/benefcios-do-shiatsu.html

De qualquer forma, espero que meu relato ajuda a quem precise se tratar dessas coisas citadas, por experiência se puderem evitem remédios e tentem coisas assim, o corpo vai agradecer com certeza! Disse - se puderem, pois ninguém deve abandonar nenhum tratamento medicamentoso pra se tratar só com isto mas por experiência, a fm exige uma abordagem multidisciplinar e este pode ser um dos tratamentos que ajude a aliviar os sintomas...

O Shiatsu e os shiatsuterapeutas

Histórico

shiatsu é uma forma de intervenção da racionalidade médica chinesa desenvolvida no Japão. Este país já possuía uma antiga tradição de massagem, originária da China, chamada anma ou amma (do chinês an mo, pressionar e esfregar), desenvolvida a partir do período Edo (1603-1867). Inicialmente praticada por cegos, o anma não tem como centro de sua atenção clínica as categorias de canais ou de cavidades (jing e xue, comumente traduzidos como meridianos e pontos) e possivelmente por isso foi lentamente perdendo prestígio na comparação com os diagnósticos sofisticados de outras formas da racionalidade médica chinesa – como o tratamento com remédios ou acupuntura – chegando ao final do século XIX rotulado de massagem estritamente relaxante e para o prazer, únicos objetivos para os quais era licenciada (recentemente os aspectos terapêuticos doanma têm sido recuperados pelo trabalho do prof. Mochizuki Shogo, radicado nos EUA, que editou alguns livros sobre sua tradição familiar de anma com grande sucesso).
O trabalho de regulagem da vitalidade centrado na utilização das possibilidades terapêuticas específicas dos canais e cavidades através de técnicas de toque popularizou-se no mundo todo a partir do Japão com o shiatsu, que significa literalmente shi, dedos e atsu, apertar. A arte foi batizada por Tamai Tempaku, ao publicar, em 1919, um livro chamado Shiatsu Ho (método de shiatsu, ou de pressão com os dedos). Não se deve, portanto, imaginar que o shiatsu seja uma técnica milenar da sabedoria oriental ou coisa semelhante – muito pelo contrário, é um desenvolvimento recentíssimo em termos da história da racionalidade médica chinesa, somente tendo sido regulamentado em seu país de origem por um conjunto de leis promulgado entre 1955 e 1964.

Como e por quê funciona

O shiatsu é uma modalidade terapêutica da racionalidade médica chinesa e, como as demais, tem sua intervenção orientada para a reconfiguração da ordem vital. Através da pressão no corpo do paciente, o shiatsuterapeuta a um só tempo adquire informações e envia comandos de reconfiguração dessa ordem, valendo-se da rede de canais e das cavidades para tanto. Essa atividade de toque atua em dois planos principais. O primeiro, das configurações do qi e do Sangue, especialmente no tocante à sua circulação. O segundo é o plano do shen ou espírito.
Atuando no qi e no Sangue
Entende-se que estas duas grandes manifestações da vitalidade do ser humano conformam um par yin-yang, onde o Sangue representa o yin e o qi (genericamente falando) representa o yang. Para haver boa circulação do Sangue, é preciso haver oqi a dinamizá-lo. Por outro lado, para evitar a dispersão do qi é preciso que este se ancore no Sangue. Em resumo, a tendência yin (estagnar e descer) do Sangue e a tendência yang (dispersar e ascender) do qi se regulam mutuamente.
Em relação ao toque, as manobras objetivam incrementar (otimizando o estado geral da circulação), regular (desfazendo bloqueios e restaurando o sentido normal do fluxo do qi em caso de contrafluxo) e ainda dragar os canais e remover estagnação provocadas pelo frio, umidade etc, de origem externa bem como interna. Pode-se ainda usar o toque para invocar as propriedades terapêuticas características de cada uma das cavidades.
Atuando no shen
Na medicina chinesa o tato é o sentido atribuído ao elemento fogo e, portanto, ao Coração. Como o Coração é o coordenador maior de toda a atividade psíquica e afetiva do ser, de sua capacidade de intermediar o interno (subjetivo) e o externo (objetivo) e, portanto, de sua própria sanidade mental, esta assertiva da Tradição é da maior importância para o massagista. O toque é a via de excelência para a comunicação entre os Corações do praticante e o do paciente e é através dele que é possível dizer, muito claramente, que se está cuidando de um paciente, e não examinando ou diagnosticando um portador de alguma patologia. Para que essa comunicação aconteça, contudo, é fundamental que o toque seja firmemente inspirado pela sensibilidade, ou seja, que não se trate de um toque mecânico, fundamentado em alguma diagnose prévia e aplicado a despeito dos sinais que o corpo do paciente dê. Uma diagnose prévia pode – ou não – existir, mas deve estar sempre em segundo plano em relação à realidade que o toque revela, a qual pode muito bem ter sido encoberta pelo próprio relato do paciente.
A partir da qualidade da comunicação entre o paciente e o terapeuta é que vai se formar o elo terapêutico, sabidamente parte integrante e indissociável da clínica e fator determinante de sua eficácia. Na prática, através do tato o Coração do paciente percebe o retorno que as sensações do toque em seu corpo promovem no terapeuta: se uma região dói, faz cócegas ou gera uma sensação de vulnerabilidade, inconscientemente o paciente espera que o terapeuta reaja a isso. Se o toque continua mecanicamente, ignorando as variações das diversas áreas por onde passa, a mensagem que o Coração do paciente recebe é: “eu não entendo você”. Por outro lado, se a cada sensação diferente a natureza do toque se modifica, a mensagem é “mas como é que ele sabe”? O paciente então se sente verdadeiramente assistido e se permite relaxar profundamente, sabedor de que o toque não representa uma ameaça para ele. Ora, o que chamamos de relaxamento nada mais é do que um outro patamar de qualidade na circulação do qi e do Sangue. Efetivamente, o toque aplicado nesse contexto é mais eficaz, pois suas diretrizes são tanto melhor compreendidas pelo organismo quanto menos emperrada está a circulação das vitalidades. Com o tempo, o corpo associa o toque à sensação de bem-estar e termina por reinterpretar mesmo toques profundos e doloridos como agradáveis.

Formação

A partir do que vimos, podemos definir dois grandes eixos ao longo dos quais se deve desenvolver a formação do shiatsuterapeuta. Um deles é a formação propriamente na racionalidade médica chinesa, onde o aluno precisa compreender a riqueza da sua maneira específica de descrever o corpo, a mente, o espírito, o cosmo e as relações entre esses planos que é a vida. Para tanto a categoria racionalidade médica, desenvolvida pela professora doutora Madel T. Luz no Projeto Racionalidades Médicas, do IMS/UERJ, traz uma grande contribuição, por apresentar o conhecimento tradicional chinês de maneira muito familiar, racional e de fácil compreensão. Uma racionalidade médica se compõe de cinco dimensões, ancoradas numa sexta que é a própria cosmologia daquela cultura. As cinco dimensões são a) morfologia, ou uma descrição do corpo; b) dinâmica vital, onde se explica como a vida se estrutura e acontece; c) doutrina médica, que reúne explicações racionais sobre a natureza do adoecer e seu curso; d) diagnose e e) terapêutica.
Um outro plano é o desenvolvimento da sensibilidade e da técnica do toque, que andam de mãos dadas. Para tanto são necessários treinamentos específicos, para regular o qi, tonificar a forma (xing, a forma física) e acalmar o espírito, fundamental para desenvolver a capacidade de “ouvir com os dedos”. Tais treinamentos raramente fazem parte do currículo de formação em shiatsu. Aparentemente, diversas outras disciplinas superficialmente tratadas são consideradas mais importantes para a formação do profissional, mesmo que pertençam a outro saber médico e não tenham nenhuma articulação com a clínica.

por Daniel Luz

                                                                                          http://acupuntura.pro.br/artigos/shiatsu-formacao/

O Shiatsu e sua aplicação


A História do Shiatsu

Autoria: Raquel Frota
Para utilizar nossos textos, solicitamos a gentileza de citar a fonte e autor.
A palavra shiatsu é de origem japonesa, e significa pressão (atsu) com os dedos (shi). O shiatsu desenvolveu-se no Japão a partir antigas técnicas manipulativas chinesas introduzidas a mais de 1000 anos atrás, essas técnicas receberam inicialmente o nome deanma. Há cerca de 300 anos atrás durante a era Edo, foi exigido dos médicos japoneses que estudassem anma para que compreendessem e se familiarizassem com as estruturas do corpo humano e seu funcionamento e com canais de energia (Keiraku) e pontos (Tsubôs). O objetivo era melhorar a capacidade do médico em diagnosticar, prescrever o tratamento adequado e localizar os pontos de acupuntura.
A anma era empregada no tratamento de problemas mais simples como tensão nas costas ou outros problemas musculo-articulares de menor gravidade, e como massagem relaxante, sendo gradativamente associada ao conforto e prazer. Era praticada e ensinada a pessoas portadoras de deficiência visual devido a sua aptidão natural e a dificuldade de receberem outros tipos de instrução, chegando a ser considerada uma profissão para cegos.
Posteriormente, com a chegada de métodos ocidentais de massagem e manipulação, bem como da visão ocidental de anatomia e fisiologia e a subseqüente associação com as formas tradicionais de tratamento por alguns terapeutas, criou-se um novo método de tratamento que ficou conhecido genericamente como shiatsu. No entanto, muitos terapeutas que baseavam seu trabalho nas teorias tradicionais adotaram esta nova designação para evitarem restrições e regulamentações oficiais impostas a anma já no século XX, que obrigavam seus praticantes a se licenciarem junto aos órgãos competentes.
Em 1955 o shiatsu foi oficialmente reconhecido no Japão, mas como parte da anma, apenas em 1964 é que o shiatsu foi reconhecido como sendo um método terapêutico independente e distinto da anma e quaisquer outros métodos.

O que é o Shiatsu?

O shiatsu é uma terapia oriental de reequilíbrio físico e energético. Usualmente é definido como uma "massagem" oriental mas é muito mais do que isso. Atua através de pressões que são aplicadas em determinadas áreas e pontos do corpo humano, efetuadas, basicamente pelos polegares, dedos e palmas, prevenindo, corrigindo disfunções internas, promovendo e mantendo a saúde e tratando doençasespecíficas.
No shiatsu, realizam-se também alongamentos para os músculos contraídos, referente à área dos meridianos tratados, desta forma consegue-se que a energia flua mais livremente. Nesta prática de shiatsu ocorre uma transmissão de energia, através do toque e das pressões, e dessa forma, o ideal é que durante a sessão haja concentração mútua (praticante/cliente). Música relaxante, temperatura agradável e aroma suave ajudam bastante, são detalhes importantes que ajudam no relaxamento.
Com o shiatsu aprendemos a ouvir o nosso corpo, é também um meio de sentirmos o corpo e entrarmos em contato com as suas tensões e desequilíbrios e com a energia e o poder natural de cura existentes no organismo.
Despertando uma nova e mais profunda consciência do corpo, aprendemos a conhecê-lo melhor e a respeitá-lo tornando-nos mais sensíveis ao seu ritmo e necessidades.
Após uma sessão de shiatsu sentimo-nos profundamente relaxados e, ao mesmo tempo, repletos de vigor e energia. A ativação do fluxo energético cria um novo nível de consciência e incentiva ao desenvolvimento do nosso potencial nos níveis emocional e espiritual.
Ajustamentos na alimentação, forma de respirar, atividade física e atitude perante a vida podem ser muito eficazes como auxílio em qualquer tratamento.
Entre os diversos benefícios que o SHIATSU apresenta para o organismo, poderão destacar-se:
  • Terapia preventiva de doenças
  • Flexibiliza a pele
  • Melhora do sistema circulatório
  • Flexibiliza o sistema muscular
  • Ajuda à recuperação do equilíbrio do sistema ósseo
  • Facilita as funções do sistema digestivo
  • Melhora o controle do sistema endócrino
  • Regula as funções do sistema nervoso
O shiatsu baseia-se nos princípios da medicina oriental, onde a saúde é uma entre as diversas forças existentes no organismo humano. Não se preocupa em eliminar a doença diretamente, mas em normalizar a energia vital do paciente, criando, assim, condições ao organismo para eliminar a enfermidade através dos seus próprios meios, priorizando a saúde, e não a doença. A energia vital, designada de "KI" no oriente, é a energia básica da vida de todos os seres vivos, incluindo o homem.
A energia KI flui pelo corpo humano de forma regular, formando canais que são designados de "meridianos" de energia, que são a base da medicina oriental. Sendo o livre fluxo de energia pelo nosso corpo fator essencial para a saúde física, intelectual e emocional, sempre que existem perturbações nesse fluxo, que consistem em excesso e deficiência de KI em determinadas zonas do corpo, criam-se condições que afetam o nosso estado de saúde, podendo originar o que conhecemos como "doenças".
Assim, os terapeutas atuam nos meridianos visando o reequilíbrio energético, designadamente nos chamados pontos de pressão, com a designação em japonês de "TSUBOS", que são pontos que condensam a energia KI e nos permitem contatar e atuar sobre a energia dos meridianos de uma forma mais intensa.
Do ponto de vista científico, os TSUBOS são pontos que apresentam baixa resistência elétrica, ou seja, são bons condutores elétricos, podendo ser utilizados tanto para diagnóstico como para tratamento, refletindo o funcionamento interno do sistema corporal. Este conceito de atuação nos meridianos energéticos, designadamente através dos tsubôs, é utilizado na acupuntura que utiliza agulhas colocadas em pontos ao longo dos meridianos, na moxabustão onde se aplica calor sobre os pontos dos meridianos escolhidos e no shiatsu onde se aplica pressão sobre esses pontos e meridianos.
O traçado dos meridianos e a localização dos tsubôs são conhecidos desde tempos antiqüíssimos, tendo sido descobertos através da experiência prática e mais tarde confirmados pelas pesquisas cientificas modernas.
Os 12 meridianos (pares) do sistema básico são os seguintes:
  • Pulmões
  • Mestre do Coração/Pericárdio/Circulação-Sexo
  • Coração
  • Intestino Delgado
  • Triplo-Aquecedor
  • Intestino Grosso • Baço-Pâncreas
  • Fígado
  • Rins
  • Bexiga
  • Vesícula Biliar Estômago
  • As duas artérias (meridianos ímpares) são o Vaso-Concepção na parte anterior do corpo e o Vaso-Governador na parte posterior do corpo.

Cuidados

Esta massagem terapêutica é uma prática preventiva, capaz também de solucionar problemas físicos, emocionais e psíquicos.
Contudo, duvide da intenção dos praticantes de shiatsu ou de outro tipo de terapia que dizem ser capaz de curar quaisquer tipos de males. Tal como outros métodos, naturais ou não, o shiatsu não faz milagres, mas certamente harmoniza o fluxo energético do indivíduo e potencializa as suas defesas naturais.
A eficácia da cura depende sempre da gravidade da patologia que afeta o indivíduo e, por essa razão, não abandone tratamentos importantes sem avisar o seu médico ou outro técnico de saúde. E caso tenha acompanhamento médico saiba também que a alopatia é compatível com o shiatsu.

Autoria: Raquel Frota

NOTA IMPORTANTE: Todos os artigos deste site são de autoria exclusiva da Equipe Viver Alternativo. Para utilizar nossos textos, solicitamos a gentileza de citar a fonte e autor.